عن أبي هريرة رضي الله عنه : أن رجلًا قال للنبي -صلى الله عليه وآله وسلم-: أوصني، قال لا تَغْضَبْ فردَّدَ مِرارًا، قال لا تَغْضَبْ».
[صحيح] - [رواه البخاري]
المزيــد ...

Segundo Abu Hurairah - Que Allah esteja satisfeito com ele - relata que um homem disse ao profeta - Que a paz e bençãos de Allah estejam sobre ele -: “Aconselha-me!” Respondeu-lhe: “Não te enfureças!” O homem insistiu em sua pergunta uma outra vez, mas o Profeta continuava a repetir: “Não te enfureças!"
Autêntico - Relatado por Bukhari

Explanação

Um dos companheiros do profeta - Que a paz esteja com eles - pediu ao profeta - Que a paz e bençãos de Allah estejam sobre ele - para que o ordenasse algo que lhe beneficie na vida mundana e na Derradeira Vida, então o profeta ordenou-lhe para que não se enfurecesse e esse seu conselho "Não te enfureças!", afasta muitos males do ser humano.

Tradução: Inglês Francês Espanhola Turco Urdu Indonésia Bosnia Russa Bangali Chinesa Persa Tagalo indiano Cingalês Uigur Curdo Hauçá Malayalam Telugu Suaíli tâmil Birmanês Alemão japonês
Ver as traduções

Os Benefícios

  1. Preocupação dos companheiros do profeta - Que Allah esteja satisfeito com eles - naquilo que lhes beneficia, conforme o dito: "Aconselha-me."
  2. Tratar cada doente daquilo que está em conformidade com a sua doença, certamente, se o profeta - Que Allah o abençoe e lhe dê paz - especificou este homem com este conselho; é porque ele era muito furioso.
  3. Alerta sobre a zanga, pois, ela reúne consigo toda maldade e a sua precaução une todo o bem
  4. A ordem de uma boa conduta, que se alguém se comportar e ela tornar-se um hábito, afasta a fúria, isso quando alcançar as razões, como a generosidade e empatia, bondade e modéstia, e assim por diante.
  5. Faz parte da beleza do Islam o fato de proibir as más condutas.
  6. A permissibilidade de pedir conselho ao sábio.
  7. Permissão de se pedir mais conselho.
  8. Consta um testemunho da regra de impedir a ação bloqueando sua essência.
  9. Vem menção da exclusividade do profeta nas palavras concisas.
  10. A proibição de algo implica a proibição de incorrer em seus meios e obrigação de fazer aquilo que ajuda no seu abandono.